Arquivo do mês: dezembro 2010

Mensagem de Ano Novo

O começo de um novo ano contém uma promessa, uma promessa  de um futuro feliz cuja liturgia revela o conteúdo: Deus oferece aos homens os bens da Salvação. Que presente!

O que fazer então, ao longo deste ano, para que fiquemos  afinados a este dom precioso? O Evangelho de amanhã nos mostra duas atitudes que nos dá acesso à promessa: a meditação e o louvor.

A meditação faz descobrir a profundidade da Palavra de Deus, que trabalha o coração até que ele se renda a seguir a vontade do Pai. O louvor é o transbordamento do coração daquele que reconhece a obra de Deus realizada.

Maria meditava e os pastores louvavam. Maria se inclinava diante do Pai e os pastores cantavam os frutos da Salvação, que surgiram da obra do Pai.

Convido a cada um a meditar a Palavra de Deus e a entrar, cada dia, no louvor da Igreja, glorificando seu Senhor.

Que Deus te tome em graça e te abençoe, que Ele alimente em você a fé implantada por Cristo, que Ele mantenha em você a esperança do Cristo, que Ele leve a você a paciência e a caridade de Jesus.

Um ótimo e santo ano de 2011 para você e toda a sua família!!!

Aproveite o momento e leia a belíssima mensagem de paz do Papa Bento XVI – clique aqui!

Que a Paz do Senhor esteja convosco!!!

Magnificat – Cântico de Maria

Magnificat (também conhecida como Canção de Maria) é um cântico entoado (ou recitado) frequentemente na liturgia dos serviços eclesiásticos cristãos. O texto do cântico vem diretamente do Evangelho segundo Lucas, 1:46-55, onde é recitado pela Virgem Maria na ocasião da Visitação de sua prima Isabel.

Na narrativa, após Maria saudar Isabel, que está grávida com aquele que será conhecido como João Batista, a criança se mexe dentro do útero de Isabel. Quando esta louva Maria por sua fé, Maria entoa o Magnificat como resposta.

Para melhor compreendê-lo:

Segue abaixo um ótima homilia do Padre Bantu Mendonça K. Sayla:

Continuar lendo

Adeste fideles

Adeste fideles læti triumphantes,
Ó venham, todos os fiéis, alegres e triunfantes
Venite, venite in Bethlehem.
Ó venham,ó venham para Belém!
Natum videte Regem angelorum.
Venham e sigam-No, nasceu O Rei dos anjos!
Venite adoremus (ter)
Ó venham adorá-Lo!
Dominum.
Cristo,o Senhor!
En grege relicto humiles ad cunas,
Vocati pastores approperant,

Humildes pastores deixam seus rebanhos
E alegres acorrem ao Rei dos céus
Et nos ovanti gradu festinemus.
Nós igualmente, cheios de alegria.
Venite adoremus (ter)
Ó venham adorá-Lo!
Dominum.
Cristo,o Senhor!
Æterni Parentis splendorem æternum,
O Deus invisível de eternal grandeza,
Velatum sub carne videbimus,
Sob véus de humildade, podemos ver.
Deum infantem pannis involutum.
Deus pequenino, Deus envolto em faixas!
Venite adoremus (ter)
Ó venham adorá-Lo!
Dominum.
Cristo,o Senhor!
Pro nobis egenum et fœno cubantem
Nasceu em pobreza, repousando em palhas,
Piis foveamus amplexibus ;
O nosso afeto lhe vamos dar.
Sic nos amantem quis non redamaret ?
Tanto amou-nos! Quem não há de amá-lo?
Venite adoremus (ter)
Ó venham adorá-Lo!
Dominum.
Cristo,o Senhor!

O ensinamento do apóstolo São João

Se existe um assunto característico que mais sobressai nos escritos de João, é o amor. […] Certamente João não é o único autor das origens cristãs que fala do amor. Sendo este um elemento essencial do cristianismo, todos os escritores do Novo Testamento falam dele, mesmo se com acentuações diferentes. Se agora nos detemos a reflectir sobre este tema em João, é porque ele nos traçou com insistência e de modo incisivo as suas linhas principais. Portanto, confiemo-nos às suas palavras.

Uma coisa é certa: ele não reflecte de modo abstracto, filosófico, ou até teológico, sobre o que é o amor. Não, ele não é um teórico. De facto, o verdadeiro amor, por sua natureza, nunca é meramente especulativo, mas faz referência directa, concreta e verificável, a pessoas reais. Pois bem, João, como apóstolo e amigo de Jesus mostra-nos quais são os componentes, ou melhor, as fases do amor cristão, um movimento que é caracterizado por três momentos.

O primeiro refere-se à própria Fonte do amor, que o Apóstolo coloca em Deus, chegando […] a afirmar que «Deus é amor» (1 Jo 4, 8.16). João é o único autor do Novo Testamento que nos dá uma espécie de definição de Deus. Ele diz, por exemplo, que «Deus é Espírito» (Jo 4, 24) ou que «Deus é luz» (1 Jo 1, 5). Aqui proclama com intuição resplandecente que «Deus é amor». Observe-se bem: não é simplesmente afirmado que «Deus ama», nem sequer que «o amor é Deus»! Por outras palavras: João não se limita a descrever o agir divino, mas procede até às suas raízes. Além disso, não pretende atribuir uma qualidade a um amor genérico e talvez impessoal; não se eleva do amor até Deus, mas dirige-se directamente a Deus para definir a Sua natureza com a dimensão infinita do amor. Com isto João deseja dizer que a componente essencial de Deus é o amor e, portanto, que toda a actividade de Deus nasce do amor e está orientada para o amor: tudo o que Deus faz é por amor, mesmo se nem sempre podemos compreender imediatamente que Ele é amor, o verdadeiro amor.

Comentário ao Evangelho do Dia feito pelo Papa Bento XVI

A Família Internacional

Como consta em sua Homepage no Brasil, apresentamos este grupo maravilhoso, que tem como principal meta: melhorar a qualidade de vida por meio da vivificadora mensagem de amor, esperança e salvação encontrada na Palavra de Deus que disseminam. Acreditam que Seu amor, quando aplicado aos aspectos práticos de nossas vidas cotidianas, é a solução para muitos dos atuais problemas da sociedade, mesmo em um mundo tão complexo e agitado como o de hoje. Ao transmitir a esperança e a orientação encontradas nos ensinamentos bíblicos,  estão contribuindo para a construção de um mundo melhor — mudando o mundo, um coração de cada vez.

A Família no Brasil tem cinco objetivos principais:

  • Transmitir a mensagem vivificadora de amor esperança e salvação por intermédio de Jesus Cristo, conforme ensina a Palavra de Deus, comunicando a alegria de conhecer Jesus como Salvador pessoal.
  • Proporcionar ensinamentos e experiências voltados para o crescimento espiritual e que estimulem o serviço cristão ativo.
  • Oferecer assistência e consolo aos necessitados, conselho personalizado, realizar apresentações musicais motivadoras e beneficentes e participar de esforços de cunho social.
  • Criar e distribuir uma variedade de produções de caráter devocional, motivador e educativo.
  • Comunicar uma mensagem de preparação e esperança para os dias por vir, denominado na Bíblia de “A Grande Tribulação (Mateus 24:21), período que antecederá a segunda vinda de Jesus Cristo e o estabelecimento de Seu reino na Terra.

Acompanho todas as publicações do grupo, em especial a Revista Contato, no qual sou assinante (a revista pode ser lida on-line, veja aqui).

A você irmão apresento aqui uma fonte de leitura abençoada e ao grupo A Família Internacional dou meus parabéns pelo belíssimo trabalho. Espero um dia poder contribuir com o trabalho de vocês.

O recado esta dado!

O Poder da Oração

Como é maravilhoso descobrir o poder que tem a oração. Aproveito o momento para agradecer a iluminada autora Stormie Omartian, que através de seus livros e sua bíblia comentada, eu passei a sentir como minha alma se eleva a Deus e Ele me ouve quando estou orando. Cito aqui algumas publicações da autora que me fizeram crescer espiritualmente e espero que realize o mesmo em mais e mais irmãos.

  • A Bíblia da Mulher que Ora
  • O Poder do Marido que Ora
  • O Poder da Esposa que Ora
  • O Poder de Orar
  • O Poder de Orar pelos Filhos Adultos
  • O que acontece quando eu falo com Deus
  • O Poder da Fé em Tempos Difíceis
  • O Poder da Oração no Casamento
  • 7 orações que vão mudar  a sua vida
  • Como receber os presentes de Deus

Existem muitas outras lindas publicações. Para uma lista mais completa, veja aqui ou na Livraria Saraiva.

Boa Leitura!!!

Independente da instituição religiosa, caminhemos juntos Cristãos!

Sou membro da Igreja Católica Apostólica Romana, o que é mais importante, sou membro do Corpo de Cristo, que se faz a partir da união no amor de todos os irmãos que tem fé no Salvador,  Jesus Cristo.

Não entendo porque diferentes instituições cristãs não possuem um bom relacionamento. Pregam em sua essência o mesmo e com o mesmo fim: adorar, glorificar e se aproximar de Deus através de Seu Filho.

Ficou-me clara qual  posição correta que toda instituição em Cristo deve ter, a partir da leitura da mensagem do Papa Bento XVI para a Celebração do XLIV Dia Mundial da Paz. Ele nos diz:

Para a Igreja, o diálogo entre os membros de diversas religiões constitui um instrumento importante para colaborar com todas as comunidades religiosas para o bem comum. A própria Igreja nada rejeita do que nessas religiões existe de verdadeiro e santo. «Olha com sincero respeito esses modos de agir e viver, esses preceitos e doutrinas que, embora se afastem em muitos pontos daqueles que ela própria segue e propõe, todavia refletem não raramente um raio da verdade que ilumina todos os homens».

A estrada indicada não é a do relativismo nem do sincretismo religioso. De fato, a Igreja «anuncia, e tem mesmo a obrigação de anunciar incessantemente Cristo, “caminho, verdade e vida” (Jo 14, 6), em quem os homens encontram a plenitude da vida religiosa e no qual Deus reconciliou consigo mesmo todas as coisas».  Todavia isto não exclui o diálogo e a busca comum da verdade em diversos âmbitos vitais, porque, como diz uma expressão usada frequentemente por São Tomás de Aquino, «toda a verdade, independentemente de quem a diga, provém do Espírito Santo».

Sejamos unidos em Cristo irmãos!!!

Deus abençoe a todos!