O Combate Espiritual – Capítulo III

Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus
(2 Coríntios 3:3-5)

DA confiança em deus

Ainda que a própria desconfiança seja tão necessária neste Combate, como vimos; contudo, se só dela temos por defesa, seremos em breve forçados a nos pôr em fuga ou a nos tomar como vencidos e desarmados pelo inimigo. Daí vem que além da desconfiança de nós mesmos, necessitamos da total confiança em Deus, dele só e nele só esperarmos todo o bem, todo o socorro e as graças que asseguram a vitória. (cf. Sl 60:11-12 ; 2Co 1:9 )

Ponde vossa confiança no Senhor e estareis seguros;”
(2 Crônicas 20:20)

Como é verdade que de nós, que somos nada, não podemos prometer outra coisa além de misérias e ruínas, donde devemos desconfiar totalmente de nossas forças;  também é certo que o Senhor nos fará vencer nossos inimigos se, para alcançar seus santos auxílios,  fortalecermos o nosso coração de uma viva confiança Nele (cf. Ro 10:11 ; 1Pe 5:5-11). E nós temos quatro meios de alcançar esta virtude.

O primeiro meio: pedindo a Deus. (cf. Ro 8:26 ; 1Jo 5:14)

O segundo meio:  considerando e vendo com os olhos da fé a Onipotência e Sabedoria infinita de sua Divina Majestade, a quem nada é impossível  ou dificultoso; sendo sua bondade sem limitação, seu inefável amor disposto a dar-nos de hora em hora, de momento em momento, toda a ajuda que precisamos para viver a vida espiritual e superarmos a nós mesmos. E a única coisa que Ele nos pede é que nos joguemos com total confiança nos braços de sua misericórdia. (cf. 1Jo 4:16 ; 2Tm 1:7 ; Mt 19:26)

E como será possível que o nosso divino Pastor, que, por trinta e três anos, correu atrás da ovelha perdida com gritos tão fortes e por caminho tão trabalhoso e espinhoso, que nele derramou todo o seu sangue e perdeu até mesmo a vida;  agora que a ovelha corre atrás Dele com a obediência de seus santos mandamentos, ou pelo menos  com o desejo (ainda que às vezes fraco, mas sincero) de lhe obedecer, chamando-o e puxando por Ele; como será possível, digo, que Ele não a veja com aqueles seus olhos de vida? Não a ouça, e não a ponha sobre os seus ombros divinos, festejando-a com todos os seus vizinhos e com os Anjos de sua glória? (cf. Mt 15:24-25 ; Ez 34:16 ; Lc 15:4-6)

Que, se não deixa o nosso misericordioso Senhor de buscar com grande amor e cuidado, e de achar na Drama do Evangelho o pecador cego e mudo, como será possível que largue aquele, que como ovelha perdida, brada e grita ao seu Pastor. (cf. Jo 9:1-7 ; Lc 11:14)

E quem poderá crer, que Deus, o qual bate sem cessar a porta de nosso coração com o desejo imenso de entrar e de cear nele, comunicando-lhe largamente seus dons; pode se fazer de desentendido, surdo e não queira entrar a esse coração que se abre e implora a sua visita?

O terceiro meio de adquirir esta salutar confiança: recorrer com a memória às verdades da Sagrada Escritura, que em mil lugares nos mostra claramente, que não ficou jamais confundido quem confiou em Deus. (cf. Ro 10:11 ; Fp 1:20 ; 1Pe 2:6)

O quarto modo, que servirá juntamente para adquirir a desconfiança de nós mesmos e a confiança em Deus, é o seguinte: não formemos nenhum projeto e nem tomemos nenhuma resolução dos quais não tenhamos antes considerado nossa fraqueza; munidos então de uma sábia desconfiança de nós mesmos, viremos nosso olhar para o poder, a sabedoria e a bondade de Deus e, cheios de confiança Nele, tomemos a resolução de agir e de combater generosamente; com estas armas unidas a oração (como diremos mais tarde) vamos obrar e combater. (cf. 2Co 12:9 ; 2Co 13:4 ; Ro 6:19)

Se não guardamos esta ordem, corremos grande risco de nos enganarmos, mesmo quando tudo parece nos indicar que a confiança em Deus é o princípio de nossas ações. Porque é tão natural ao homem a presunção de si mesmo, e esta é tão sutil, que permeia o nosso entendimento em nosso coração e se mistura imperceptivelmente na desconfiança de nós mesmos e na confiança que temos em Deus.

Estejamos pois, o quanto possível  em guarda contra à presunção e,  para estabelecer nossas obras sobre essas duas virtudes opostas a esse vício, tomando cuidado de que a consideração de nossa fraqueza vá sempre adiante da consideração da Onipotência de Deus, e ambas estas precedam as nossas ações. (cf. 2Co 10:18 ; Pv 28:26 ; 1Jo 2: 16)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s