Arquivo da tag: orar

Pai Nosso das Almas

Um dia enquanto Santa Matilde comungava pelas Almas do Purgatório, Jesus apareceu-lhe e disse: Reza por Elas um Pai Nosso. E compreendeu Ela que devia fazê-lo do modo abaixo indicado. Depois de ter rezado, Ela viu que uma multidão de Almas subiam ao Céu.

Oferecimento

Pai Eterno; oferecemos-vos o precioso Sangue, a Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo e tudo o que Ele fez e sofreu na terra, para as Santas Almas do Purgatório e para a conversão dos pecadores. Fazemos esta oferta por intermédio do Coração Imaculado de Maria transpassado pela espada sétupla com todas as Suas dores e Suas lágrimas, colocando-as nas chagas de Jesus. Ofertamos também estas Chagas, cada uma das Chagas para as Santas almas do Purgatório e para a conversão dos pecadores, para a reconciliação de todas as almas Sacerdotais da Igreja Católica e do mudo inteiro, tantas vezes a misericórdia Divina souber contar deve valer este oferecimento mesmo que já não nos lembremos dele. Amém

Pai Nosso que estais no céu

Eu vos peço, dignai-vos perdoar, Pai Eterno, as Almas do Purgatório, por não Vos terem amado, por não terem rendido o culto de adoração que a Vos é devido, a Vós Seu Pai, bom e misericordioso, por Vos terem afastado de Seus corações onde desejáveis habitar. Para suprir estas faltas, ofereço-Vos o amor e a honra que Vosso Filho Vos rendeu sobre a terra e a imensa satisfação com que pagou a divida de todos os Seus pecados. Amém!
– Senhor Jesus / Perdão e Misericórdia (10 x)

Santificado seja Vosso Nome

Eu Vos suplico, ó Eterno Pai, que perdoeis as Almas do Purgatório por não terem honrado dignamente Vosso divino nome, por terem-no raras vezes invocado com devoção, por terem-no muitas vezes tomado em vão, e pela Sua vida pouco edificante terem-se tornado indignas do nome de Cristo. Para satisfação deste pecado, ofereço-Vos a santidade de Vosso amado Filho que em Suas pregações e em todas as Suas obras honrou e glorificou o Vosso nome. Amém!
– Senhor Jesus / Perdão e misericórdia (10x)

Venha a nós o Vosso Reino Continuar lendo

Oração do coração

Senhor, vejo o teu rosto divino estampado…
na “imagem e semelhança” de cada ser humano…
Mas também vejo Senhor…
tantas almas afastadas de Ti…
Meu Deus, como isso pode acontecer?
E como será o devir dessas almas angustiadas longe de Ti?
Não o sei meu Senhor, mas, creio tanto no teu amor…
que as entrego prontamente à tua Divina Misericórdia…

Tende compaixão de nós pobres mortais…
Acossados, vilipendiados,
tentados pelas artimanhas do mal…
Vem em nosso socorro Jesus…
dá-nos o alívio nessa batalha que travamos…
contra o inimigo de nossas almas…
Como o deste ao ladrão arrependido na cruz…

Fica conosco Senhor…
como ficaste com os discípulos de Emaús…
logo após a tua ressurreição…
Dá-nos saborear tua sabedoria divina…
para que também os nossos corações…
tornem-se ardentes tanto quanto os deles…
Desse modo, Senhor, plenos do teu amor…
daremos o mesmo testemunho que eles deram de tua ressurreição…

Ó Senhor!
É tão agradável a tua companhia é tão maravilhosa,
que não tenho mais vontade de sair de perto de Ti…
Agora sei por que São Pedro quis construir…
aquelas tendas no monte Tabor…
Também sei por que Maria, irmã de Lázaro e Marta,
escolheu a melhor parte…
Porque conviver contigo Senhor, é a Felicidade sem fim…

Como meu Senhor aqueles homens de Jerusalém…
e cidades circunvizinhas não puderam te perceber
e ainda por cima te crucificaram?
Porque Senhor te ouvir é ouvir diretamente o Pai,
falando aos nossos corações…
dando-nos as instruções de como viver aqui Sua Vontade…
para a vivermos também na eternidade, no Reino dos Céus…

Senhor Jesus eu te amo…
não me deixe nem por um só instante…
porque sem a tua presença meu Senhor…
Eu nada sou…
Por isso, permita-me dizer como São Paulo disse:
“Já não sou eu que vivo,
é Cristo quem vive em mim”…

Senhor, contemplando teu modo de ser…
Como posso descrever teu convívio com a Mãe Santíssima?
Porque o Senhor é tão agradável que, de fato,
vê-LO no convívio com a Mãe amantíssima…
É um privilégio único, só capaz pelo Espírito Santo…

Esse privilégio é tão único Senhor,
que não cabem nas palavras descrever tão esplêndido encontro…
Creio que seja uma graça toda especial dada à poucos…
Por isso, não ouso Senhor, mas humildemente peço…
“Seja feita a Vontade do Pai,
assim na terra como nos céus”… Amém!

Paz e Bem!

Escrito por: Frei Fernando Silva

Orar incessantemente

Na famosa história do Peregrino Russo lemos:

“Pela graça de Deus sou cristão, mas pelas minhas ações sou um grande pecador… No vigésimo quarto domingo depois de Pentecostes, fui à igreja para ali fazer minhas orações durante a ligurgia. Estava sendo lida a primeira Epístola de S. Paulo aos Tessalonicenses e, entre outras palavras, ouvi estas: ‘Orai incessantemente‘ (1Ts 5,17). Foi esse texto, mais que qualquer outro, que se inculcou em minha mente, e comecei a pensar como seria possível rezar incessantemente, já que um homem tem de se preocupar também com outras coisas a fim de ganhar a vida”.

O camponês foi de igreja em igreja, para ouvir sermões, mas não encontrou a resposta que queria. Finalmente, encontrou um santo staretz que lhe disse:

“A oração interior incessante é um anseio contínuo do espírito humano por Deus. Para sermos bem-sucedidos nesse exercício consolador, precisamos suplicar com mais frequência a Deus que nos ensine a rezar sem cessar. Rezar mais e rezar com mais fervor. É a própria oração que lhe revela como rezá-la sem cessar; mas leva algum tempo”.

Então, o santo staretz ensinou ao camponês a Oração de Jesus: “Senhor Jesus Cristo, tem misericórdia de mim” . Enquanto viajava como peregrino pela Rússia, o camponês passou a repetir essa oração com os lábios. Até considerava a oração de Jesus sua companheira verdadeira. E, então, um dia, teve a sensação de que a oração passou sozinha de seus lábios para seu coração. Ele diz:

“… parecia que, pulsando normalmente, meu coração começava a dizer as palavras da oração a cada batida… Desisti de dizer a oração com os lábios. Passei simplesmente a ouvir o que meu coração dizia”.

Aqui aprendemos outro jeito de chegar à oração incessante. A oração continua a rezar dentro de mim, até enquanto falo com os outros ou me concentro no trabalho manual. Ela se torna a presença ativa do Espírito de Deus que me guia pela vida

Desse modo vemos como, pela caridade e pela atividade da oração de Jesus em nosso coração, nosso dia todo se transforma em oração contínua. Não sugiro que imitemos o peregrino russo, mas que, também nós, em nosso ministério atarefado, nos preocupemos em rezar sem cessar, para que, seja o que for que comamos ou bebamos, seja o que for que façamos o façamos pela glória de Deus. (Veja 1Cor 10,31). Amar e trabalhar pela glória de Deus não pode permanecer uma idéia sobre a qual pensamos de vez em quando. Deve se tornar uma incessante doxologia interior.

Ore para resistir à tentação

Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.
Não me lances fora da tua presença,e não retires de mim o teu Espírito Santo.
Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com
um espírito voluntário
.”
(Salmos 51:10-12)

Davi escreveu essas palavras depois que o profeta Natã confrontou-o sobre o adultério com Bate-Seba. Para seu crédito, Davi reconheceu o pecado. O salmo é, portanto, uma súplica por pureza e uma oração em que Davi clama a Deus para ser restaurado na alegria de um relacionamento reto. Davi, no entanto, poderia ter-se poupado de muito sofrimento e tristeza (assim como a Bate-Seba e seu marido) se primeiro tivesse levado a Deus seus sentimentos por Bate-Seba.

Deus quer que vivamos em completo contraste com o mundo. O mundo está totalmente absorvido pela carne. Tentação sexual de um tipo ou de outro se encontra em toda parte. A atitude em relação ao sexo casual e à imoralidade em nossa sociedade avançou muito mais que a maioria das pessoas pode imaginar. Os que têm alguma percepção de seu propósito e da pessoa que Deus os criou para serem sabem que não se podem envolver nesse aspecto. O preço é alto demais. As consequências grandes demais.

Deus diz: “Que vos abstenhais das concupiscências da carnais, que combatem contra a alma“(1Pe 2:11). Aquilo que cobiçamos – seja sexo, bens materias, prestígio, dinheiro, poder – destrói nossa alma. Pode levar-nos a abandonar a paz. Não se trata de Deus não desejar que tenhamos nenhuma dessas coisas, mas que devemos nos submeter a seu caminho e a seu tempo, e permitir que Ele nos abençoe conforme sua vontade.

Existe um meio de resistir às tentações da carne, especialmente à tentação sexual: adorar a Deus. Essa deve ser, porém, a nossa primeira reação, e não a segunda, como resposta ao fato consumado. O rei Davi deveria ter agido assim. Entretanto, quando Bate-Seba descobriu que estava grávida, Davi tentou encobrir o adultério arranjando para que o marido dela fosse morto em combate.

Tudo começou com um pensamento pecaminoso. Ninguém comete adultério sem antes ter pensado nisso. É ao primeiro pensamento que a oração deve ser feita. Mais tarde Davi foi confrontado pelo profeta Natã, e o rei, para seu crédito, confessou tudo e mostrou-se profundamente arrependido. Mesmo assim, graves consequências resultaram de seus atos, não sendo a última e nem a menor delas a morte do filho recém-nascido de Davi e Bate-Seba. A partir dessa época coisas terríveis como assassinato, morte e traição se tornaram parte de sua familia e de seu reinado.

Todos cometem erros. Não permita que a culpa oriunda deles o separe de Deus ou o faça sentir-se distante Dele. Esse é o plano do inimigo para impedi-lo de obter o que Deus lhe reserva. Para vencer a tentação apresente-se ao Senhor tão logo ela lhe surja na mente pela primeira vez. Não espere como fez Davi. Não acolha esse pensamento nem por um momento. Vá a Deus imediatamente e confesse. A seguir louve-o como o Deus que é mais poderoso que qualquer tentação.

Escrito por: Stormie Omartian em A Biblia da Mulher que Ora.

Que estais no Céu

Entre as disposições necessárias àquele que reza, a confiança tem uma importância considerável. Quem pede alguma coisa a Deus, diz São Tiago, (1,6) faça-o com confiança e sem hesitação.

O Senhor, no princípio da Oração que nos ensinou, expõe os motivos que fazem nascer a confiança.

Primeiro, a complacência do Pai: Pai Nosso. Depois, diz o Senhor (Lc 11, 13): Vós que sois maus, sabeis dar coisas boas a vossos filhos; quanto mais dará vosso Pai celeste, do alto dos céus, àqueles que lhe pedem, seu bom Espírito.

Um outro motivo de confiança é a grandeza e o poder do Pai, o que nos faz dizer ao Senhor não apenas Pai nosso, mas Pai nosso que estais no céu. O Salmista também diz (Sl 123, 1): Elevei meus olhos para vós que habitais nos céus.

O Senhor usou a expressão que estais no céu por três razões diferentes.

<< Preparar-se para orar >>

Em primeiro lugar, esta expressão tem por objeto preparar a oração, como nos recomenda o Eclesiástico (18, 23): Antes da oração, preparai vossas almas. Seguramente, o pensamento de que nosso Pai está nos céus, isto é, na glória celeste, nos prepara para lhe dirigirmos nossas súplicas.

Na promessa do Senhor a seus Apóstolos (Mt 5, 12): vossa recompensa será grande nos céus, a expressão «nos céus» tem igualmente o sentido de «na glória celeste».

A preparação da oração se realiza pela imitação das realidades celestes, pois o filho deve imitar seu pai. Assim, São Paulo escreve aos Coríntios (I, 15,49): Como revestimos a imagem do homem terrestre, é preciso também revestirmos a imagem do homem celeste

A preparação para a oração requer também a contemplação das coisas celestes. Os homens têm por hábito dirigir freqüentemente o pensamento para o lugar onde está seu pai e onde se acham os outros seres, objetos de seu amor, segundo a palavra do Senhor (Mt 6, 21): Lá onde está o teu tesouro, também está teu coração. Foi por isso que o Apóstolo escreveu aos Filipenses (3,20): Nos céus está a nossa morada.

A preparação da oração reclama, enfim, que aspiremos às coisas celestes. Àquele que está nos céus devemos pedir coisas celestes, como nos diz São Paulo (Cl 3, 1): Procurai as coisas do alto, lá onde está o Cristo.

<< Deus habita nos santos >>

Em segundo lugar, as palavras «Pai nosso que estais no céu» podem significar a facilidade que tem Deus de ouvir as nossas preces, porque está próximo de nós. Aquelas palavras significam então: Pai nosso que estais nos santos. Com efeito, Deus habita nos santos.

Jeremias diz (14, 9): Senhor, Vós estais em nós. Os santos são realmente chamados «céus», segundo essas palavras do Salmo 19,1: «Os céus proclamam a glória de Deus».

Ora, Deus habita nos santos pela fé. São Paulo escreve aos Efésios (3, 17): Que Cristo habite em vossos corações pela fé.

Deus também mora nos santos pela caridade. Aquele que habita na caridade, diz São João (I, 4, 16), habita em Deus e Deus nele.

Deus mora ainda nos santos pela realização dos mandamentos. Se alguém me ama, declara o Senhor (Jo 14,23), guarda minha palavra e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada.

<< Deus sempre nos ouve >>

Em terceiro lugar, «que estais nos céus» se refere à eficácia do Pai ao nos ouvir. Neste caso a palavra «céus» designa Continuar lendo

Sempre é o pedido de Nossa Senhora:Rezem! Por que?

Segue abaixo uma belíssima reflexão da- da, em 12 de fevereiro de 1988, pelo Frei Slavko Barbaric, que era alemão e esteve por muitos anos como padre em Medju- gorje, cidade na Bósnia onde desde 1981 é declarado que Nossa Senhora aparece a quatro videntes e deixa mensagens e segredos.

Se eu relembro, se eu penso sobre muitas perguntas que recebi aqui e sobre as minhas respostas para os peregrinos, uma das perguntas mais comuns era sem- pre, ” Nossa Senhora pede apenas para Rezar. Rezar. Rezar. E mais uma vez, quando lemos suas mensagens encontramos apenas este apelo junto com as outras mensagens de paz e de conversão“. Os pe- regrinos perguntam isso porque talvez, ou muitos deles, querem receber de Nos- sa Senhora um convite mais concreto . Por exemplo, quando os peregrinos vêm do Brasil, eles perguntam: “Por que Nossa Senhora não fala sobre justiça social ou injustiças?“. Quando eles vêm da Polônia ou na Tchecoslováquia, “Por que Ela não fala sobre os problemas dos sistemas de ditaduras?“. E, assim, quando eles vêm de um movimento da vida, eles perguntam: “Por que Nossa Senhora não fala sobre aborto e muitas outras coisas? “. E, é verdade, Nossa Senhora sempre fala sobre a oração. A mensagem mais importante em suas mensa- gens é a oração. Eu não quero agora defender Nossa Senhora do porquê Ela não fala sobre os outros problemas que existem no mundo, mas eu penso algo que me ajuda a entender por que Ela faz as coisas dessa maneira. Eu vou dar dois exemplos.

Um jovem veio da Suíça para Medjugorje em 25 de fevereiro de 1985. Ele veio com muitos problemas, especialmente com problemas espirituais bem como psi- cológicos. Ele tinha perdido a sua paz,e não conseguia se sentar ao piano para fa- zer seu exame final de música. Ele veio aqui e durante a aparição ele tocou a Ave Maria de Schubert. Ele não participou da aparição, mas apenas tocou o piano. Ele me disse que durante a aparição, quando ele tocou “Ave Maria”, sentiu a paz e a alegria de uma maneira incrível. Daquele dia em diante sua vida mudou. Sen-  tou-se no seu exame final de música e agora é um professor de música e mantém contato regular conosco. Depois de sua terceira peregrinação a Medjugorje, ele me escreveu uma carta e pediu: “Padre, o que está acontecendo comigo? Pela primeira vez na minha vida, depois destas peregrinações, eu descobri que as pes- soas pobres existem no mundo. A partir deste momento e destas experiên- cias, não posso mais ficar tranquilo, porque os pobres existem“. E começou um novo movimento chamado MEPB, em italiano, Medjugorje Pre-Bambino. Em português Medjugorje para as crianças. Ele agora tem um comitê que organiza concertos em toda a Suíça e todo o dinheiro arrecadado em seus concertos ele está dando para as crianças. Em dezembro passado, antes do Natal, eles abriram uma casa para 200 crianças pobres, a 70 km de Bombaim, na Índia. Agora, ele está construindo uma outra casa no Brasil que também é para crianças pobres. Em sua última carta ele escreveu para mim: “Padre, parece que nossa Senhora não gosta da minha música porque eu não tenho mais tempo para isso, eu tenho muito trabalho a fazer para os pobres“.

Para mim é interessante porque ele não encontrou nas mensagens «Procure os pobres» ou «Construa uma casa próximo a Bombaim» ou «Dê uma casa para as Irmãs que estão à procura de uma casa». Ele rezou, se converteu e na sua con- versão descobriu o que poderia fazer.

Esta é sempre a minha resposta aos peregrinos: convertam-se, rezem, e a- través de sua conversão, vocês descobrirão onde é o seu lugar e qual é a sua tarefa neste mundo. Porque a conversão é um chamado para nós. Você vai descobrir o seu lugar no mundo e em sua família. Quando Deus nos cri- ou, deu à humanidade este mundo e disse: “Trabalhe e submeta este mundo, es- ta criação.” Através do pecado, perdemos o nosso lugar e por esta razão que nós experimentamos conflitos e guerras. Nós somos incapazes de encontrar o nosso lugar através destes conflitos, essas guerras, mas seremos capazes de entender como usar os nossos dons para o bem através da conversão. Conversão signi- fica compreender de novo o que somos chamados a fazer.

Este jovem, para mim, é um caso Continuar lendo