Arquivo da tag: Palavra de Deus

Mensagem a TODOS os cristãos: não temos a verdade, pertencemos a ela

Concluiu-se neste domingo no Centro Mariapolis de Castel Gandolfo, o tradicional seminário de verão europeu dos ex-alunos de Bento XVI, o chamado Ratzinger Schülerkreis, centralizado este ano no tema “Resultados e questões ecumênicas no diálogo com o luteranismo e o anglicanismo“.

Na missa, Papa Bento XVI fez sua homilia a partir da leitura do Deuteronômio, onde se lê que Israel, único dentre todos os povos, recebe de Deus a lei, lei que dá a verdadeira salvação. Trata-se de um dom do qual alegrar-se, não um fruto da própria genialidade que possa gerar triunfalismo, observou o Papa.

Desse modo, a Igreja, um Israel que se tornou universal, só pode alegrar-se pelo dom de Cristo, que é o núcleo essencial da Lei, Lei feita carne, Amor de Deus por nós. Recebemos a sabedoria que é verdade, sabemos viver e morrer, porque Cristo é a vida e a verdade. Não há espaço para nenhum triunfalismo, mas somente para a alegria e a gratidão pelo presente recebido, que não foi feito por nós.

O Papa ressaltou que, com o passar do tempo, costumes humanos foram acrescentados ao dom de Deus, escondendo a sabedoria dada por Ele. Esses acréscimos podem levar a Igreja ao chamado triunfalismo, a louvar a si mesma.

Desse modo, nesta fase, vemos somente aquilo que foi feito por nós, não mais encontramos a alegria da fé. Assim não mais ousamos dizer que Deus nos ensinou a verdade e nos ensinou o que é o homem.

Mas hoje – observou o Santo Padre –, os conceitos de verdade e intolerância estão quase fundidos entre si; desse modo, afirmar ter a verdade torna-se sinônimo de intolerância. E nós cristãos não mais ousamos crer ou falar em verdade.

De fato, é verdade, ponderou: ninguém pode dizer “Tenho a verdade”, porque somos nós que pertencemos à verdade que é algo vivo! Não a possuímos, é ela que nos segura; e permanecemos nela somente se nos deixamos conduzir e impelir por ela.

Creio que devemos aprender novamente este “não ter a verdade”, afirmou. Ninguém pode dizer “Tenho filhos”, porque não são um nosso pertence, são um presente, e são um dom de Deus e uma tarefa.

Do mesmo modo, também não podemos dizer “Tenho a verdade”, mas a verdade, que é o próprio Cristo, veio até nós, e na Eucaristia veio até mesmo dentro de nós para purificar-nos das nossas misérias, do nosso egoísmo que faz o cristianismo parecer apenas um sistema de costumes.

E assim devemos aprender novamente a fazer-nos conduzir pela verdade. E então por meio de nós a verdade poderá novamente brilhar para a salvação do mundo.

Bento XVI fez uma observação tomando como referência a Carta de São Tiago, onde convida a se colocar em prática a Palavra, não sendo somente ouvintes.

É uma exortação a não realçar a dimensão intelectual da fé e da Teologia, frisou. Muitas vezes, quando leio tantas coisas inteligentes, temo justamente isso: que a Teologia se torne uma questão de intelecto que não compenetra a nossa vida e que, portanto, não nos leva à verdade.

Portanto, é um convite justamente a nós, teólogos: não somente ouvir, mas deixar-se forjar pela verdade e deixar-se conduzir por ela, concluiu.

As recompensas da obediência

Ao receber sua conta de luz, você pode ter pelo menos quatro razões para não pagá-la :

  1. «Não tenho dinheiro suficiente. »
  2. « Não quero pagá-la. »
  3. « Não  sabia que tinha de fazê-lo. »
  4. « Esqueci. »

Qual desses argumentos você acha que a empresa de eletricidade aceitaria como aceitável para você não fazer o pagamento ?

Adivinhou ! Nenhum deles.

Qual dessas mesmas quatro razões Deus aceita como boa desculpa para você não viver em obediência ?

Acertou de novo ! Nenhuma.

Não importa se não nos parece possível cumprir seus desejos, se nos rebelamos abertamente, se não sabemos o certo a fazer ou se esquecemos de fazer o certo. O resultado ainda é o mesmo : trevas.

Quando não vivemos como Ele nos pede, sacrificamos grande parte da luz que poderíamos desfrutar. Não experimentamos o grau de proteção, orientação e respostas à oração que de outro modo sentiríamos. Perdemos certas bênçãos quando não estamos dispostos a fazer o que vem antes.

Quando obedecemos a Deus, somos protegidos. Noé foi chamado para construir a arca porque Deus disse : « …porque te hei visto justo » (Gn 7 :1). Foi basica- mente a retidão de Noé que o salvou e a sua família da destruição. Podemos aca- bar nos lugares mais esplendorosos, lugares em que não pensaríamos em ir por nos mesmos, simplesmente porque Deus vê que desejamos viver de acordo com a vontade Dele. Quando O amamos o suficiente para obedecer ao que nos pede, permanecemos sob Sua proteção.

Quando obedecemos a Deus, podemos ser guiados por Ele.

Há caminhos certos e caminhos errados. Não podemos confundi-los. Se obede- cermos a Deus, Ele nos dará a luz da Sua revelação e nos conduzirá aonde preci- samos ir.

Quando  obedecemos a Deus, encontramos repostas para as orações. Se você acha que não tem obtido respostas a suas orações, peça a Deus que lhe mostre se você negligenciou a obediência em alguma área de sua vida.  A Bíblia diz que «qualquer coisa que lhe pedirmos, Dele a receberemos, porque guardamos os Seus mandamentos e fazemos o que é agradável à sua vista » (1Jo 3 :22). Há uma correlação direta entre obediência e oração respondida.

Deus não pretende ser ditador, apenas quer nos mostrar como a vida funciona melhor. Esta nos dizendo : « Se você fizer isto, eu faço aquilo ». Independente- mente da área em que Ele nos pede obediência, podemos ter certeza de que Ele esta tentando nos ensinar algo para nosso benefício.

Peça a Deus que lhe mostre se existem alguns passos de obediência que deseja que você dê. Ele vai lhe dizer. Você pode estar certo disso. Quando você chegar a ponto de confiar Nele tão completamante que obedecerá tudo o que Ele disser, vai descobrir que a obediência não é assim tão difícil, mas um privilégio. Você obedecerá a Deus porque o ama e porque as recompensas são maravilhosas. Obedecerá porque não quer que nada se interponha entre você e Deus. Obedece- rá porque esta disposta a pagar qualquer preço para que sua luz não seja apaga- da.

Os Mandamentos de Deus

O 1° mandamento é: “Amarás o Senhor teu Deus com toda a tua força e com toda a tua alma“. Mas para que os mandamentos do Senhor tenham efei- to na nossa vida, nós precisamos ouvir a voz e a vontade de Deus. É necessário ouvirmos, pois a Palavra de Deus é luz para nossos passos, é libertação. E quem quer ser liberto precisa ouvir a vontade de Deus. E quem ouve a Palavra de Deus é semelhante a um homem sábio. Quando entramos em uma livraria, vemos que as prateleiras estão lotadas de livros de “auto-ajuda”-  todos estão procurando a- juda – mas, na verdade, eles estão procurando sabedoria.

E o homem sábio é aquele que firma a sua casa no Senhor. A Palavra de Deus realiza a sua eficácia porque a ouvimos. Você só será feliz se você praticar a Palavra de Deus. Ouvindo a Palavra de Deus, precisamos ter a intenção de pra- ticá-la.

Existe uma passagem bíblica que diz que um pai tinha dois filhos. Ele chamou o primeiro e disse: “Filho vai trabalhar na vinha“.E o filho respondeu dizendo que sim, mas não foi. O pai chamou o segundo, mas esse respondeu que não, mas no final acabou indo. Qual deles obedeceu ao pai? O segundo, porque fazer a vonta- de do Pai, muitas vezes não implica fazê-la com a boca, mas obedecer com o co- ração.

Mestre, que devo fazer de bom para alcançar a vida eterna?

E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentosDisse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não co- meterás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho; Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo. Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda? Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades.
(Mateus 19: 16-22)

Vemos que a primeira coisa que temos que reconhecer é que Deus é bom, que Deus é amor. A única razão que justifica estarmos aqui é que Deus é bom. E por Ele ser bom e te amar demais, Ele te trouxe até aqui para te agraciar.

Compreenda melhor os mandamentos, com Prof. Felipe Aquino:

Introdução
1º –  Amar a Deus sobre todas as coisas
2º –  Não tomar o seu Santo Nome em vão
3º –  Guardar domingos e festas de guarda
4º –  Honrar pai e mãe
5º –  Não matar
6º –  Não cometerás adultério
7º –  Não roubar
8º –  Não levantar falso testemunho
9º –  Não desejarás a mulher do teu próximo
10º- Não cobiçar as coisas alheias

Estes dez mandamentos resumem-se em dois:

«Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro dos mandamentos. E o segundo é semelhante ao primeiro: amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas.»
(Mt 22: 37-40)

Para melhor compreendê-los, acesse o Catecismo da Igreja Católica e o Wiki Canção Nova.

Prólogo de João – uma síntese de toda a fé cristã

  1.  No princípio era o Verbo, e o Verbo  estava junto de Deus e o Verbo era Deus.
  2. Ele estava no princípio junto de Deus.
  3. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada  foi feito.
  4. Nele havia a vida, e a vida era a luz  dos homens.
  5. A luz resplandece nas trevas, e as  trevas não a compreenderam.
  6. Houve um homem, enviado por Deus, que  se chamava João.
  7. Este veio como testemunha, para dar  testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele.
  8. Não era ele a luz, mas veio para dar  testemunho da luz.
  9. [O Verbo] era a verdadeira luz que,  vindo ao mundo, ilumina todo homem.
  10. Estava no mundo e o mundo foi feito  por ele, e o mundo não o reconheceu.
  11. Veio para o que era seu, mas os seus  não o receberam.
  12. Mas a todos aqueles que o receberam,  aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus,
  13. os quais não nasceram do sangue, nem  da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.
  14. E o Verbo se fez carne e habitou entre  nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de  graça e de verdade.
  15. João dá testemunho dele, e exclama:  Eis aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim é maior do que eu, porque  existia antes de mim.
  16. Todos nós recebemos da sua plenitude  graça sobre graça.
  17. Pois a lei foi dada por Moisés, a  graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
  18. Ninguém jamais viu Deus. O Filho  único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou. (Leia mais em:  Bíblia Católica )

 

O Prólogo do Evangelho de João (Jo 1,1-18), que nos dá a conhecer o funda- mento da nossa vida: o Verbo, que desde o princípio está junto de Deus, fez-Se carne e veio habitar entre nós (cf. Jo 1,14). Trata-se de um texto admirável, que dá uma síntese de toda a fé cristã.  A partir da sua experiência pessoal do encon- tro e seguimento de Cristo, João, que a tradição identifica com «o discípulo que Jesus amava» (Jo 13, 23; 20, 2; 21, 7.20), «chegou a esta certeza íntima: Jesus é a Sabedoria de Deus encarnada, é a sua Palavra eterna feita homem mortal».

Aquele que «viu e acreditou» (Jo 20, 8 ) nos ajude também a apoiar a cabeça so- bre o peito de Cristo (cf. Jo 13, 25), donde brotou sangue e água (cf.Jo 19, 34), símbolos dos Sacramentos da Igreja. Seguindo o exemplo do Apóstolo João e dos outros autores inspirados, deixemo-nos guiar pelo Espírito Santo para po- dermos amar cada vez mais a Palavra de Deus.

Trecho da Carta Apostólica Verbum Domini do Papa Bento XVI.

Curso de Bíblia – PARTE I

No geral, as pessoas quando estão começando uma aproximação com Deus, e querem saber mais sobre a Palavra, sentem-se confusas, e tem dificuldades em compreender como ler a Bíblia, em que ordem, qual escolher, como ela esta es- truturada, como foi escrita, como foram feitas suas traduções para o português, entre outras coisas.
Para poder ajudar meus irmãos, começo aqui uma série de posts, que de maneira simples, apresentarão as informações fundamentais a saber sobre a Bíblia. Uso como fonte um Curso de Bíblia da Diocese de Itabira, o Portal dos Capuchinhos e diversas versões da Bíblia (descreverei cada uma no último post).

As Sagradas Escrituras (Bíblia) podem dar-lhe a verdadeira sabedoria que conduz à salvação pela fé em Jesus Cristo (2 Tm 3:15).

  • Introdução

Hoje qualquer pessoa tem acesso ao Livro mais famoso do mundo: a Bíblia Sa- grada. Ela já foi traduzida para todas as línguas (aproximadamente em 1685 idi- omas). A Bíblia foi escrita por partes e em diversas etapas. Começou a ser escri- ta, mais ou menos, pelo ano 1250 antes de Cristo (no tempo de Moisés) quando o faraó Ramsés II governava o Egito. A última parte da Bíblia foi escrita no final da vida do evangelista e apóstolo São João, por volta do ano 100 d.C. . Portanto, foram necessários 1350 anos para a Bíblia ser escrita. O Museu Britânico e a Bi- blioteca do Vaticano guardam as cópias mais antigas da Bíblia.

  • Bíblia, o Livro inspirado por Deus

A Sagrada Escritura é o conjunto dos livros escritos por inspiração divina, nos quais Deus se revela a si mesmo e nos dá a conhecer o mistério da sua vontade. Divide-se em duas grandes seções: Antigo Testamento, que contém a revelação feita por Deus antes da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo ao mundo;  Novo Testamento, que contém a revelação feita diretamente por Jesus Cristo e trans-mitida pelos Apóstolos e outros autores sagrados.

O principal Autor da Bíblia é DEUS. Os escritores sagrados (homens) registra- ram suas experiências de fé e de vida, inspirados por Deus. Antes desses Livros serem registrados – TRADIÇÃO ESCRITA – tais experiências eram passadas oralmente de geração em geração – TRADIÇÃO ORAL.

Toda a Escritura é inspirada por Deus
e útil para ensinar e para convencer, para corrigir
e para educar na justiça, a fim de que o homem
de Deus seja perfeito e preparado para as boas obras.”
(2 Tm 3, 16-17)

HAGIÓGRAFO: é aquele que Continuar lendo