Arquivo da tag: pecado mortal

Sexo antes do casamento

No vídeo abaixo, o iluminado Padre Paulo Ricardo nos esclarece o porquê da castidade, como é possível mantê-la e como, em geral, nós cristãos fazemos para fugir do pecado.

Para viver a castidade é preciso que o cristão creia que é possível odiar o pecado e buscar a santidade.

A relação sexual fora do matrimônio é uma mentira, pois existe uma contraposição entre o que o corpo expressa e o que a alma experimenta: o corpo insinua uma entrega total; a alma revela a falta de compromisso entre as partes.

Aceitar que é possível, com a ajuda de Deus, sair do pecado e viver da miseri- córdia é o caminho para o cristão ser vencedor: não fazer do pecado um projeto de vida, eis o caminho para se aproximar da comunhão.

Odeie o seu pecado com seu coração e
viva da  misericórdia de Deus!

Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.
(Salmo 51: 10)

Anúncios

A desgraça do pecador

Grande é a malícia do pecador, mas também é a desgraça de quem o comete.

O pecado mortal rouba-nos a vida sobrenatural. Como a alma dá vida ao corpo, assim a graça dá vida a alma. E a razão por que o pecado grave é chamado mortal, visto destruir a vida da graça na alma. Como  a morte no corpo não  pode ser suspensa  a não ser por  milagre  da  mão  de Deus, assim também a morte da alma não pode ser impedida senão por milagre da bondade divina, quando ela é atingida pelo pecado. E verdade que Deus em sua misericór- dia, costuma restituir a vida da graça, perdoando a muitas almas aqui na terra. Isso dá-se, porém, só neste mundo e não no outro, pois sua providência estabeleceu como lei exercer misericórdia no tempo e não na eternida- de.

O pecado mortal ocasiona a perda de todos os merecimentos. Se tivesses adqui- rido méritos semelhantes a um São Paulo eremita que viveu 89 anos em uma gruta, ou aos de um São Francisco Xavier, que conquistou milhões de almas para Deus, ou a de um São Paulo apóstolo, que adquirira mais merecimentos, segun- do São Jerônimo, que os demais apóstolos juntos, tudo perderias cometen- do um só pecado mortal: “Não será lembrada nenhuma das obras de justiça por ele praticadas” (Ecli 18:24).

Pobres pecadores! Imaginam encontrar a felicidade cometendo pecados, mas só encontraram amargura e remorsos. “Em seus caminhos só há arrependimento e  infelicidade e não conhecem o caminho da paz“(Sl 13:3). Mas não procuram eles a paz?  Sim, mas “para os ímpios não há paz, diz o Senhor” (Is 48:22).

O temor do castigo divino acompanha sempre o pecado. Quando se tem como inimiga uma pessoa poderosa, não se pode comer nem dormir sossegado. Ora, como então poderá viver em paz quem se fez inimigo de Deus? “O temor é a recompensa dos que praticam o mal” (Sl 10:29). Oh! Quanto não treme um homem, que tem no coração um pecado mortal, Continuar lendo

Como obtemos a Salvação? (Pecado mortal e pecado venial)

Lendo diversos sites pela internet, encontrei um artigo que respondia a seguinte pergunta: “A Bíblia ensina sobre pecado mortal e pecado venial ?”. Para respon- der, é apresentado inicialmente como a Igreja Católica Romana classifica os pe- cados (que apresentarei ao fim desse Post) e mais ao fim faz uma argumentação tentando mostrar que biblicamente os conceitos de pecado mortal e venial não são como a Igreja apresenta, e conclui que os que creem não serão julgados.
Antes de começar a falar nesse questionamento, peço que leiam e reflitam as seguintes passagens:

Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis;
e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.
E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos,
mas também pelos de todo o mundo. E nisto sabemos que o conhecemos:
se guardarmos os seus mandamentos.
Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos,
é mentiroso, e nele não está a verdade.
Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele.
Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou
.”
(1 João 2 : 1-6)

“Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade;
porque o pecado é iniqüidade.
E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados;
e nele não há pecado.
Qualquer que permanece nele não peca;
qualquer que peca não o viu nem o conheceu.”
(1 João 3 : 4-6)

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama;
e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei,
e me manifestarei a ele.”
(João 14 : 21)

E disse-lhe um: Senhor, são poucos os que se salvam? E ele lhe respondeu:
Porfiai por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que
muitos procurarão entrar, e não poderão.
Quando o pai de família se levantar e cerrar a porta, e começardes, de fora, a bater à porta, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos; e, respondendo ele, vos disser: Não sei de onde vós sois; Então começareis a dizer: Temos comido e bebido na tua presença, e tu tens ensinado nas nossas ruas.
E ele vos responderá: Digo-vos que não sei de onde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais a iniqüidade.
(Lucas 13 : 23-27)

Bem, agora voltemos ao caso do artigo acima citado, no qual o autor apresenta a seguinte frase:

<< Paulo afirma este fato em Romanos 8:1: “Portanto, agora nenhuma conde- nação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.” Por que não são os crentes julgados? Por que não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus? É porque a morte de Cristo satisfez a justa ira de Deus contra o pecado (I João 4) e agora aqueles que con- fiam em Cristo não pagarão a pena do pecado.>>

O autor não se atentou a um grande detalhe “que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito“. Em (1 João 2), vemos que temos Cristo Jesus como Nosso Advogado somente se nós o conhecermos, ou seja “se guardarmos os seus mandamentos”; e assim “Aquele que diz que está ne- le, também deve andar como Ele andou”.

Então precisamos compreender : como “andar segundo o Espírito” ou “andar como Ele andou“. Para conseguirmos isso, João nos diz que não devemos pecar. Mas o que é o pecado? Existem pecados mais graves que outros? Sempre pode- mos obter perdão de Deus?

Bem, começo com as seguintes passagens:

Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para morte, orará,
e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para morte.
Há pecado para morte, e por esse não digo que ore.
Toda a iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para morte.

(1 João 5 : 16-17)

Em verdade, em verdade vos digo que,
se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte
.”
(João 8:51)

Por isso, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas.E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos.”
(Tiago 1 : 21-22)

A partir daqui é apresentado o Catecismo da Igreja Católica (Terceira Parte- A vida em Cristo, Primeira Secção, Primeiro Capitulo, Artigo 8), que nos explica claramente o que é o pecado, as suas gravidades e consequências para nós. Jesus nos deu o caminho, a questão é se realmente andamos por Ele.
Continuar lendo