Arquivo da tag: Santo Ambrosio

Vendo a fé daqueles homens, perdoou-lhe

E vieram ter com ele conduzindo um paralítico, trazido por quatro.
E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o telhado onde estava, e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico. E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico:
Filho, perdoados estão os teus pecados
.”
(Marcos 2:3-6)

«Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’». Como é grande o Senhor! Por causa de uns, perdoa aos outros; de uns recebe a oração, a outros perdoa os pecados. Por que razão, ó homem, não poderá o teu semelhante interceder por ti, quando é um servo que do Senhor alcança e obtém, pela súplica insistente, a graça?

Quem julga, pois, que aprenda a perdoar; e quem estiver doente, a suplicar. E se não esperais o perdão imediato das faltas graves, recorrei a intercessores, recorrei à Igreja, que rezará por vós, e, em consideração a ela, o Senhor vos concederá o perdão que podia ter-vos recusado. Não negamos a realidade histórica da cura do paralítico, apenas queremos aqui realçar sobretudo a sua cura interior, por causa dos pecados que lhe foram perdoados. […]

O Senhor quer salvar os pecadores e demonstra a Sua divindade através do conhecimento que tem dos corações e dos prodígios das Suas acções: «Que é mais fácil? Dizer ao paralítico ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer ‘Levanta-te, pega no teu catre e anda’?» E assim faz-lhes ver a imagem completa da Ressurreição, uma vez que, ao curar as feridas do corpo e da alma […], é o homem todo que fica curado.

Fonte: Homilia de Santo Ambrósio.

Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para morte, orará,
e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para morte.
Há pecado para morte, e por esse não digo que ore
.”
(1 João 5:16)

Na aparição de Senhora em Lourdes a Bernadete, a Virgem pede insistentemente por Penitência:

 “Penitência! Penitência! Penitência! Reze pela conversão dos pecadores! “

Doutores da Igreja – PARTE 1

Doctores Ecclesiae

O título de Doutor é canônico (definido pelas regras do direito canônico). Ela proclama a extraordinária importância deste ou daquele santo na compreensão da doutrina da Igreja Católica. Quase todos os doutores homens realizaram um trabalho de teologia racional, sobre qualquer tema teológico particular. Os últi- mos três doutorados são mulheres: Teresa de Ávila, Catarina de Sena e Teresa de Lisieux. Entre elas, brilha uma outra forma de Doutorado, complementar ao doutorado de inteligência racional: é um doutorado “da vida” onde  toda a vida cristã é feita, de maneira prática, compreensível. Alguns Doutores da Igreja são também Padres da Igreja, mas nem todos os Padres são Doutores.Todos os Dou- tores são canonizados. Os requisitos são quatro:

  1. Eminens doctrina (conhecimento eminente);
  2. Insignis vitae sanctitas (um alto grau de santidade);
  3. Ecclesiae declarati(proclamação da Igreja);

Bento XIV explicou o terceiro como uma declaração do Soberano Pontífice ou de um conselho geral. Mas, apesar dos conselhos gerais terem aclamado os es- critos de certos doutores, nenhum concilio conferiu o título de Doutor da Igre- ja. Na prática, o procedimento consiste em estender para a igreja universal o uso do Oficio e Missa de um santo em que o título de doutor é aplicado a ele. O decreto é composto pela Congregação dos Sagrados Ritos e aprovada pelo Papa, após um estudo cuidadoso dos escritos do santo. É de nenhuma maneira, uma decisão “ex catedra“, nem mesmo uma declaração que indique que não existem erros nos ensinamentos do Doutor.

A LISTA COMPLETA DOS DOUTORES DA IGREJA

Em 1295, o Papa Bonifácio VIII, confere pela primeira vez o título de Doutor da Igreja aos Padres latinos da Igreja:

Santo Ambrósio (340-397). É considerado um dos qua- tro máximos doutores da Igreja, aprendeu de Orígenes a conhecer e a comentar a Bíblia. Ele lutou contra o arianis- mo no Ocidente. Bispo de Milão e mentor de Santo Agostinho. Uma relação de suas obras aqui e trechos se- lecionados (em espanhol)  aqui ! Veja também: um bom resumo e um vídeo.

A castidade duma alma é de um preço aos olhos de Deus maior que a dos anjos, pois que os cristãos só podem adquirir esta virtude pelos combates, enquanto que os anjos a têm por natureza.”

—–x—–

Santo Agostinho (354-430). Bispo de Hipona.  Um dos quatro doutores originais da Igreja latina. O maior dos Padres do Ocidente e um dos grandes Doutores da Igreja, estabeleceu as bases da teologia católica; “Doutor da Graça”.  Em breve, postarei em outro artigo, todas as obras agostinianas que encontrei. Cito algumas delas:  Confissões,  O Cuidado Devido aos MortosO Livre Arbítrio, etc. Veja uma lista completa aqui! Veja também suas obras em inglês,  em espanhol,  em francês (completa) e em latim (completa). Um filme e um vídeo sobre sua história.

Por maior que seja o temor da morte, deve vencê-lo a força do amor com que se ama aquele que, sendo nossa vida, quis sofrer até a morte por nós.

—–x—–

São Jerônimo (343-420). Um dos quatro Doutores originais da Igreja Latina. É conhecido sobretudo como tradutor da Bíblia do grego antigo e do hebraico para o latim. A edição de São Jerônimo, a Vulgata (em latim), é ainda o texto bíblico oficial da Igreja Católica Romana.  Uma de suas obras:  De Viris Illustribus  (Sobre  homens ilustres) em latim e em inglês. Suas obras em francês.  Dois vídeos (vídeo 1 e vídeo 2) sobre sua história.

Quando rezamos falamos com Deus, quando lemos é Deus que nos fala.”

—–x—–

São Gregório Magno (540-604).  Papa.  Quarto e último dos quatro Doutores originais da Igreja Latina. Defendeu a supremacia do Papa e trabalhou pela reforma do clero e da vida monástica. Introduziu o canto gregoriano na Igreja. Lista de suas obras em português, algumas obras em espanhol e todas as suas obras em francês. Um vídeo e um bom resumo sobre sua história. Veja também a Catequese do Papa Bento XVI sobre este Doutor da Igreja.

” O verdadeiro pastor das almas é puro em seu pensamento. Sabe aproximar-se de todos, com verdadeira caridade. Eleva-se acima de todos pela contemplação de Deus.”

Em breve, será postada a Parte 2 ! 😉

Meu testemunho de conversão

Assistindo a um filme que relata a história de Santo Agostinho (que indico a to- dos, veja aqui) percebi quanto o seu testemunho de vida, de sua conversão, foi importante para mim, e acredito que para milhares de pessoas, que viveram uma vida longe de Deus (como ele), querendo somente saber de festas, de prazeres pessoais, de conseguir um emprego que ganhe muito (e como a maioria dos bra- sileiros…sem trabalhar muito), de conquistar bens, e outras coisas mais da satis- fação da carne. Assim, acredito que todo o testemunho de conversão é impor- tante e contribui para que muitos parem para refletir sobre o que acontece em suas próprias vidas. E então apresento aqui um pouco do meu “começo” com Deus.

Eu agradeço a meus pais de terem me batizado na Igreja Católica quando criança e depois aos 10 anos me levarem para as aulas da Primeira comunhão. Infeliz- mente, eles não me levavam as missas com frequência, com exceção da época em que fazia as aulas na Igreja.

Depois de ter recebido a Primeira Comunhão, eu fui me afastando mais e mais da igreja…chegando a ser o que muitos chamam da católica do IBGE … (diz que é , e nunca vai às missas). Namorava, estudava numa universidade pública, tinha pai e mãe ajudando em tudo, e  vivia a vida só para satisfazer os meus sonhos e von- tades. Sempre me sentia um tanto “vazia”, não entendia o que se passava comi- go. Via várias coisas acontecerem em minha vida e nada parecia algo de efetivo e importante, mas mesmo assim continuava no mesmo modo de viver. E assim foi até quando conheci meu marido Matheus. Ele participava da missa, sabia muitas coisas da Palavra de Deus (que eu nem sabia que lá estava). Fui pouco a pouco aprendendo com ele tudo o que Deus dizia de cada ação, se era errada ou não, e como deveríamos agir para então mudar. E é sobre isso que todos nós devemos estar esclarecidos…Deus nos dá a chance de mudar, de parar de cami- nhar para longe Dele… e passar a andar mais e mais perto.

Quando estava no início de minha aproximação do Senhor, muitas pessoas vi- nham a mim, e perguntavam: Como podes ter tanta certeza que o que esta escri- to na Bíblia é verdade? Parece que muitas coisas são radicais demais.

Na época, ainda não sabia como argumentar com fatos concretos, a verdade contida na Palavra de Deus, pois toda a minha confiança no que estava escrito, vinha de dentro de mim, algo que não compreendia bem como acontecia … deve ser como o que muitos gostam de dizer : o sexto sentido. Mas depois compreendi que era minha fé…ela estava aumentando a cada momento que sabia mais de Deus. Eu acho que todas as pessoas de bom coração, sabem que seguir os man- damentos de Deus, é sem sombra de dúvidas, o verdadeiro caminho a seguir. Mas para elas é difícil abandonar os seus prazeres da carne, as suas satisfações pessoais; e também acham que as forças necessárias para vencer essas concupis- cências vêm delas próprias, e é neste ponto que erram.

Lembro neste momento, de um trecho do filme que mostra a busca de Santo Agostinho (já bispo) em unir Católicos e Donatistas.  Segue abaixo o trecho:

Agostinho nos mostra quanto Deus é misericordioso. E que na vida há em quem depositar a nossa total confiança: em Deus, e somente em Deus.

Hoje…eu já sei o que tenho que buscar…tenho que seguir a minha vocação (o chamado de Deus para mim). E agora posso responder a quem me pergunte so- bre a veracidade da Palavra. Eu diria a elas: entreguem-se de todo coração à vontade de Deus, e você vivera experiências do amor de Deus em sua vida, ex- periências de um amor que jamais tenha imaginado antes! E a partir dai, preci- sara somente continuar alimentando a fé, que já existe em você!

Deixo abaixo momentos onde Santo Ambrósio ensina sobre a Verdade a  Santo Agostinho, antes de sua conversão.

Até o próximo testemunho! Se Deus quiser!